15/08/2015

Secundário? E agora?

Talvez tenha chegado demasiado tarde para alguns de vocês, mas há um tópico que preocupa todos aqueles que se encontram no período de transição entre o ensino básico e o ensino secundário: a escolha do curso. Não vos vou falar sobre saídas profissionais de cada curso, porque isso é o que toda a gente fala, mas sim de desejo (isso mesmo, desejo).

Quando me deram a escolher, eu já estava decidida: queria Línguas e Humanidades. Para mim, superar a opinião de todos os outros que me aconselhavam Ciências e Tecnologias foi tarefa difícil. Como sempre tive boas notas, acho que me viam como médica ou engenheira, mas simplesmente eu não tenho aquela paixão pelas ciências (apesar de não desgostar de todo) como tenho pelas humanidades. Não sei, talvez seja genética (enquanto que a minha família materna é mais ligada às ciências, a minha família paterna é mais ligada às línguas), ou talvez seja mesmo meu. Na verdade, não me imagino nem em aulas de físico-química, nem de matemática. Apesar de ser boa aluna a ambas, nunca consegui gostar verdadeiramente das disciplinas.

Aquilo que mais me disseram quando anunciei a minha decisão foi que tinha demasiado potencial para o desperdiçar no desemprego, seguindo o mais fácil. Alô? A sério? Demasiado potencial para ser desperdiçado no desemprego? Penso que, quando alguém é realmente bom e ama aquilo que faz, chega onde quiser (claro, com esforço e dedicação à mistura, como em tudo).

Os argumentos do mais fácil e do desemprego são os mais usados quando um jovem diz que quer seguir um curso que não Ciências e Tecnologias, mas, na verdade, há sempre emprego! Pode não ser o ideal dentro do ramo, mas sempre é melhor do que exercer um cargo completamente desinteressante e alheio…

Quanto à facilidade, o segredo não está em enfrentar o mais difícil com notas suficientes para passar, mas sim em enfrentar opiniões com notas de excelência! A facilidade também é bastante relativa. Ninguém pode dizer Matemática é mais difícil do que História, primeiro, porque são disciplinas completamente diferentes (ambas exigem bastante do aluno: uma puxa pelo raciocínio lógico, outra pelo espírito crítico e pela reflexão), segundo, porque esse tipo de opiniões difere de pessoa para pessoa, já que não somos todos iguais.

Conheço muitas pessoas que seguiram Ciências e Tecnologias, já que lhes disseram que esse seria o único curso com saída profissional em Portugal. Acho ridícula esta ideia, parece que as pessoas foram cegadas pelo dinheiro, ou lá o que é… o dinheiro é importante, sim, mas não pode ser o centro da vida de alguém! Há coisas muito mais importantes que dinheiro… Deve ser muito giro olhar para o nosso passado e pensar: não fui feliz, porque só pensei no dinheiroPortanto, escolham bem, e lembrem-se: a vida é vossa, não dos vossos familiares, nem dos vossos professores, quanto menos dos vossos amigos!

5 responses to “Secundário? E agora?”

  1. Inês Pardal says:

    Gostei muito do blog e já estou a seguir
    Se puderes passa no meu e segue, beijinhos

    http://fashionhealthlover.blogspot.pt

  2. Marli Neves says:

    Eu escolhi o meu curso (Ciências e Tecnologias) apenas por gosto pessoal. Não gostava de Geografia, nem de Português e não me revia em nada que envolvesse línguas nem economia e muito menos arte (que na minha opinião é um curso que é preciso ter vocação). Além disso, adorava matemática, FQ e ciências da natureza, por isso esta decisão foi tudo menos difícil para mim.
    O pior de quando se gosta de tudo, é que depois não sabemos no que queremos especializar-nos (no meu caso foi dificil a escolha do curso universitário, para o qual vou este ano).

    GIVEAWAY de um colar de 2 camadas com a Timeless Thoughts ❀

  3. Inês Elias says:

    Ainda bem que gostaste! 🙂
    Passei e segui.

  4. Inês Elias says:

    A minha escolha de curso também não foi difícil, História e Português sempre foram as minhas disciplinas favoritas, o mais difícil foi confrontar os meus pais com a minha decisão.

  5. Margarida says:

    Em relação a mim as coisas ocorreram ao contrário. Não tiro grandes notas (porque não quero), mas aquelas em que os meus pais mais achavam que eu me destacava eram geografia, história, línguas… claro que queriam que eu fosse para humanidades. Mas não me imagino a fazer algo do género para o resto da vida. Aliás com toda essa conversa eles baralharam-me tanto que ia desesperando… no fim acabei por me decidir por ciências, simplesmente porque é algo que tem saídas profissionais que me imagino a exercer para o resto da vida com gosto, e eu acho que isso é o mais importante… (sinceramente também nunca te imaginei em humanidades, és o tipo de rapariga que sempre pensei que fosse para ciências, mas acho que fizeste bem em seguir aquilo que tu queres)

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Don't miss a thing!

Hi! I'm Inês, a near Lisbon based brunette, currently starting a Law degree. If you want to get exclusive unpublished articles (such as my lasagna recipe), a lot of freebies and a monthly update on what's going on in here, don't forget to sign up to our newsletter.