08/05/2016

Ao meu primeiro (e único) amor

Um dia, questionei-me sobre a existência do amor. Lá estava eu, deitada na minha pequena cama, a pensar sobre o amor… Sempre reconheci lamechices, mas nunca as entendi muito bem. Para mim, nada as justificava. Aquela pergunta atormentou-me durante meses. À noite, lá estava ela à minha espera. Alguns dos meus amigos já namoravam, outros tinham umas paixões esquisitas, mas, mesmo assim, nada me fazia acreditar na carga por detrás da palavra amor.

Do meu grupo de amigos, um começava a destacar-se. Não por ser extremamente carinhoso comigo, nem por ser o melhor amigo do mundo, mas por algo que nunca cheguei a compreender. O João dava-me nervos. Era o único com coragem para me contrariar, o único que ousava desafiar-me. Um dia, cortámos relações. Nunca mais nos falámos. Já havia quem dissesse que íamos namorar, mas, na altura, parecia impossível.
Com a ajuda de algumas pessoas (a quem agradeço do fundo do meu coração), voltámos a ser amigos. Comecei a sentir algo que nunca sentira antes, algo estranho, quase irreal. Entretanto, tentámos namorar. À primeira não resultou, mas à segunda foi de vez. Hoje celebram-se dois anos, desde que a segunda foi de vez.
Quando o amor dele me tocou, mudei. Algo despertou em mim. Cada palavra fria em mim ganhou um tom ternurento, que foi crescendo (e ainda cresce). Ele encontrou o caminho para o meu coração, descongelando-o com aquele toque amável que só ele tem. Gostava que me conhecessem antes de começar a namorar com o amor da minha vida (sim, é o que ele é), só para repararem na diferença.
O amor existe? Sim! Não é uma invenção cinematográfica para render dinheiro, é verdadeiro. É algo único, inexplicável. Algo que ainda está por decifrar, algo involuntário, mas tão maravilhoso. O amor é uma sorte que nem todos têm, um privilégio para quem não o conhece, é o sentimento mais completo e gratificante que existe. Amem e amem muito. Nunca deixem de amar!
Resta-me agradecer à pessoa mais maravilhosa do mundo (vá João, não chores de emoção), por nunca ter desistido de mim, por me teres mudado, por tudo… Tu sabes o que vales e sabes que és a principal causa da minha felicidade. És tudo para mim… Que venham mais dois, e outros dois, e ainda mais dois… que nunca acabe! Obrigada por me ensinares o que é o amor!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Don't miss a thing!

Hi! I'm Inês, a near Lisbon based brunette, currently starting a Law degree. If you want to get exclusive unpublished articles (such as my lasagna recipe), a lot of freebies and a monthly update on what's going on in here, don't forget to sign up to our newsletter.