21/01/2018

O abuso do assédio sexual

Parece que surgiu um novo crime, que de novo nada tem a não ser o seu recente mediatismo: o assédio sexual. Temos visto todo o tipo de espetáculo à volta deste tema: desde vestidos pretos em Hollywood, a hashtags que querem restaurar a fé na Humanidade. É toda uma campanha de marketing que alinda um assunto nada bonito e que perigosamente nos ilude, fazendo-nos pensar que, agora que tudo foi exposto, não há mais nada a temer.

Citando a Comissão para a Igualdade no Trabalho e no Emprego (CITE), o “assédio sexual é todo o comportamento indesejado de caráter sexual, sob forma verbal, não verbal ou física, com o objetivo ou o efeito de perturbar ou constranger a pessoa, afetar a sua dignidade, ou de lhe criar um ambiente intimidativo, hostil, degradante, humilhante ou desestabilizador”. Ora, há que ter bom senso e saber discernir um caso de verdadeiro assédio de outra coisa. Normalmente, dizer hoje estás bonita é diferente de dizer papava-te toda (ou todo, sim, porque não são só as mulheres que são assediadas) ou de parar um carro e pressionar uma pessoa a entrar para ir dar uma voltinha (como já me aconteceu). Uma acusação destas pode mudar drasticamente a vida de uma pessoa, por isso, é melhor que tenhamos certezas antes de apontarmos o dedo.
Excluídos os não-casos, importa falar da visibilidade que as celebridades e os meios de comunicação social dão a esta questão. É claro que é importante instruir e educar a sociedade, de forma a erradicar estes comportamentos abusivos e a incentivar a sua denúncia, mas não se pode, de maneira alguma, monetizar um problema real de pessoas reais (e quase sempre anónimas), trajando vestidos pretos de alta costura e avaliando quem foi melhor ou pior vestido. Este não é um problema exclusivo das elites de Los Angeles, é um problema do mundo, de milhões de homens e mulheres, que muitas vezes extrapola para situações de violação, de agressão física ou de homicídio.
As manifestações não são suficientes para aqueles que sofrem e que travam batalhas contra sistemas jurídicos que não protegem a vítima, mas o agressor (basta ter em atenção os países no Médio Oriente, em que uma mulher vale menos que um camelo). É preciso defender medidas concretas, em vez de espalhar boatos, ou culpar a Meryl Streep dos atos do Harvey Weinstein. Não é que tenhamos de nos calar, não podemos é banalizar.

4 responses to “O abuso do assédio sexual”

  1. Acho que tudo começa com a educação em casa. Os homens que têm este tipo de comportamento fazem-no porque foi assim que cresceram. Pelo menos é a minha opinião. Há que mudar mentalidades.
    Um beijinho grande*
    Vinte e Muitos

    • Inês Elias says:

      Concordo, mas infelizmente há muitas pessoas, homens e mulheres, que continuam a educar os seus filhos com tendências para superiorizar um género ao outro.

  2. Eri Sunny says:

    Great post, Dear!
    I`m following your blog with a great pleasure in GFC
    Follow back? Sunny Eri: beauty experience

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Don't miss a thing!

Hi! I'm Inês, a near Lisbon based brunette, currently starting a Law degree. If you want to get exclusive unpublished articles (such as my lasagna recipe), a lot of freebies and a monthly update on what's going on in here, don't forget to sign up to our newsletter.