17/07/2019

Tchin-tchin a novos recomeços

Olá, olá, pessoal. Começamos a sessão de hoje com uma pequenina redundância – novos recomeços. Sim, porque um recomeço pressupõe um novo começo e se um novo começo é um recomeço, pronto, vocês entendem.

Como tiveram a oportunidade de reparar, tudo aquilo que eu tinha para aqui escrito desapareceu. Pois é, boom, sumiu. Porquê? Perguntam vocês. Então, comecei isto há quatro anos atrás, o que fazia de mim uma jovem de quinze anos, que poderia até não mudar em nada o que se passava para aqui, mas a verdade é que já não me revia no conteúdo que publiquei e não faz sentido para mim conservar algo com o qual não me identifico. E não é só por isso, é também porque não seria correto permitir que continuasse a ser transmitida uma mensagem na qual já não acredito.

E aquilo de isto passar a ser em inglês? Sim, não resultou. Teria sido uma boa ideia, não digo que não, mas o que eu gosto mesmo é de escrever, mais do que criar bom conteúdo (isso interessa mais para o vosso lado, que se isto não valer a pena vocês nem se dão ao trabalho de ler), eu gosto de escrever, escrever lindo e escrever bem (mesmo que isto nunca aconteça e fique tudo uma borrada), e o inglês limitava-me imenso, porque, não sei, parecia que estava a vomitar informação numa linguagem-padrão, não conseguia ter um registo próprio, uma forma de escrever só minha, só o consigo com a minha língua materna (que, não é para me gabar, é a língua mais linda e poética – e lamechas – que existe).

Pronto, é isto. Resumindo e concluindo, daqui para a frente vou despejar aqui o que me vai na cabecinha, sem nenhuma ordem de trabalhos pré-definida. Vou também deixar uma pequena história deste sítio para os recém-chegados que não perceberam patavina do que debitei acima, porque eu apaguei tudo o que lhes poderia ajudar a compreender.

Serra da Arrábida
Uma fotografia aleatória da Serra da Arrábida para isto ficar mais bonito.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Alô, quem fala?

Inês, estudante de Direito na Universidade Católica Portuguesa. Faço justiça no meu horário de trabalho (mentira, não faço nada que ainda me estou a licenciar) e escrevo para aqui umas coisas nos tempos livres.